Vegetarianismo, animais na ciência e pessoas idiotas

Putaqueopariu. Tooooda veeeeez que eu veeeeeejo algum debaaate sobre um dos dois assuntos acima eu fico nervosa.

Estava, eu, na sala vendo uma televisãozinha - coisa que eu ultimamente não tenho feito. Sapeando os canais, parei na MTV. Estava começando o MTV Debate. Repeti baixinho "não é sobre animais, não é sobre animais...". Era. O tema: é necessário usar animais em pesquisas científicas? Na banca "do bem", Sérgio Greif - um biólogo que já entrevistei -, uma vegana e um advogado dos direitos animais. Na banca do mal, cientistas, é claro.

O povo do bem deu uma lavaaaaada no povo do mal. A vegana perguntava insistentemente " pq a ciência não caminha ao lado da ética?" e nenhum deles respondeu. Nós somos a favor de alternativas à utilização de animais, e não da extinção da ciência. Se ela é tão boa a ponto de descobrir a cura de doenças - e de fato é -, pq não pesquisa outros meios de realizar testes. É cômodo sacar um rato, um chimpanzé ou um beagle, injetar uma substância e esperar pra ver. Se é culturalmente aceito pela maior parte das pessoas, pq mudar e poupar a vida de seres que sequer tem direitos - na opinião deles, é claro.

"Mas, mas, mas... E a alface? Cooooooomo você tem coragem de comer a pobre da alface?". Caraaaaaleo. Quer irritar um vegetariano, tire um barato da cara dele e faça essa pergunta. Até os cientistas do programa foram por esse caminho. Meu Deus, cadê a argumentação?

O Lobão, que era um cara que eu achava bacana, encerrou o programa com a seguinte frase: "antes ele do que eu". É por essas e outras que os seres humanos serão sempre cruéis e penderão para o lado mais fácil. Afinal, pra que ir atrás de alternativas aos animais se usá-los funciona tão bem [nem sempre].

9 comentários:

Garotas de Vinte e Poucos disse...

oi Cris
cheguei aqui por acaso, e li seu post...
comecei a ver o debate, mas logo desliguei a TV.
Primeiro deixa eu já falar, não sou uma pessoa de animais, não por não gostar, mas por traumas de infância que não vêm ao caso... eu não tenho um em casa, mas dai a fazer mal aos bichinhos tem uma longa estrada né!?
Uma bobagem sem tamanho esse povo que acha que animal deve sofrer pra fazer os humanos terem peles mais macias e cheirosas ou perder uns quilos a mais sem esforço.
E.... o comentário do alface é o pior absurdo que eu ouvi! Desde quando alface pensa?? Ser vegetariana é uma escolha, uma opção de estilo de vida, não uma escolha de quem matar: vaca ou alface!

acho que divaguei....

mesmo assim, adorei o blog e vou vistar sempre!

Bjo

*Lala*

POPI by Paula disse...

Menina, nem sei o q dizer...
Não sou vegetariana, como rúcula(sou viciada) tomate, cenoura, alface e outras cositas...
mas esse papo de ficar maltratando os bichinhos... Deus meu!!!!
Alias, usar, maltratar e enganar qualquer tipo de ser inocente e não ter o mínimo de compaixão é coisa de gente destrambelhada!
bjus,
Paula

Leo disse...

Nunca gostei do Lobão porque odiava a música dele.

E concordo com o que vc disse. Se quer fazer teste com animais vivos, vá fazer com seres humanos oras! Os animais têm direito à vida e a liberdade. O homem poderia fazer estes testes porque ele está ciente do que está fazendo e todas as conseqüências. É uma injustiça o que fazem com os animais.

Algumas coisas no nosso mundo são tão absurdas, mas parece normal pras pessoas porque já estão acostumadas com isso.
--------------------------------
Sobre o post da Lucy

Ao contrário dos homens, as mulheres são diferentes. Isso faz com que nós homens matemos a cabeça na hora de beijar uma mulher.

Cada uma reage de um jeito.

Vc disse atitudes que NÃO devemos tomar. Porque não dá uma ajudinha pra nós homens e dá umas dicas de qual a maneira que devemos nos portar nesta hora tão importante! hahaha
-----------------------

Cris, a gente tem um diálogo fantástico nesse Buddypoke: Você me cumprimenta, eu te cutuco, você me dá um tapa na cara, eu te dou uma voadora, você me dá um soco na cara, eu me ajoelho e peço desculpas e agora estamos balançando quadris!!!!!

Que coisa de louco!!!!!

Cristiane disse...

Putz, Leo, verdade!
Mas que tá engraçado, tá!
bj

Patty disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patty disse...

Olá! Olha eu de novo!
Tenho que confessar que amoooo animais! E se não gostasse tanto de carne branca com certeza me tornaria vegetariana viu... Apesar de estar a alguns km de distância (moro em Beozonte uai!), quando for a uma passeata a favor dos animais me chamaaaa!!! Acho um absurdo isso viu, essa coisa de usar animais para experiências. É o holocausto para os probrezinhos!!!! Eu recebi um texto uma vez que descreve muito bem esse meu lado e queria compartilhá-lo com vocês (é um pouco grande mas vale muuuito a pena lê-lo):


Por que não vão defender as crianças com fome?'


RESPOSTA À PERGUNTA DE ALGUMAS PESSOAS
por Francisco José Papi

Questão interessante. Vamos ver se essa eu consigo responder de modo
didático.

1) Quem faz esta pergunta admite que existem dois tipos de pessoas no mundo: As Pessoas Que Ajudam e as Pessoas Que Não Ajudam. Além disso, admite também que faz parte das Pessoas Que Não Ajudam, afinal, do contrário, diria 'Por que não me ajudam a defender as crianças com fome?', ou 'Venham defender comigo as crianças com fome!', ou 'Não, obrigada, vou defender as crianças com fome'. Então ela se coloca claramente através de sua escolha de palavras como uma Pessoa Que Não Ajuda. É curioso a Pessoa Que Não Ajuda, não faz nenhum esforço para ajudar, mas, sim, para tentar dirigir as ações das Pessoas Que Ajudam. É bastante interessante. Se eu fosse até sua casa organizar sua vida financeira sob a alegação de que eu sei muito mais sobre administração familiar eu estaria interferindo, mas ela se sente no direito de interferir nas ações que uma pessoa resolve tomar para aliviar os problemas que ela encontra ao seu redor. É uma Pessoa Que Não Ajuda, mas ainda assim quer decidir quem merece ajuda das pessoas Que Ajudam e o nome disso é 'prepotência'.

2) Pessoas Que Ajudam nunca vão ajudar as 'crianças com fome'. Nem
tampouco os 'velhos', os 'doentes' ou os 'despossuídos'. E sabe por que? Porque 'crianças com fome' ou 'velhos' ou qualquer outro destes é
abstrato demais. Não têm face, não são ninguém. São figuras e retóricas de quem gosta de comentar sobre o estado do mundo atual enquanto beberica seu uisquezinho no conforto de sua casa. Pessoas Que Ajudam agem em cima do que existe, do que elas podem ver,
do que lhes chama atenção naquele momento. Elas não ajudam 'os velhos', elas ajudam 'os velhos do asilo X com 50,00 reais por mês'. Elas não ajudam 'as crianças com fome', elas ajudam 'as crianças do orfanato Y com a conta do supermercado'. Elas não ajudam 'os doentes', elas ajudam o 'Instituto da Doença Z com uma tarde por semana contando histórias aos pacientes'. Pessoas Que Ajudam não ficam esperando esses seres vagos e difusos como as 'crianças com fome' baterem na porta da sua casa e perguntar se elas podem lhe ajudar.
Pessoas Que Ajudam vão atrás de questões muito mais pontuais. Pessoas Que Ajudam cobram das autoridades punição contra quem maltrata uma cadela indefesa sem motivo. Pessoas Que Ajudam dão auxílio a um pai de família que perdeu o emprego e não tem como sustentar seus filhos por um tempo.
Pessoas Que Ajudam tiram satisfação de quem persegue uma velhinha no meio da rua.
Pessoas Que Ajudam dão aulas de graça para crianças de um bairro pobre.
Pessoas Que Ajudam levantam fundos para que alguém com uma doença rara
possa ir se tratar no exterior.
Pessoas Que Ajudam não fogem da raia quando vêem QUALQUER COISA onde elas possam ser úteis. Quem se preocupa com algo tão difuso e sem cara como as 'crianças com fome' são as Pessoas Que Não Ajudam.3) Pessoas Que Ajudam são incrivelmente multitarefa, ao contrário da preocupação que as Pessoas Que Não Ajudam manifestam a seu respeito. (Preocupação até justificada porque, afinal, quem nunca faz nada realmente deve achar que é muito difícil fazer alguma coisa, quanto mais várias). O fato de uma pessoa Que Ajuda se preocupar com a punição de quem
burlou a lei e torturou inutilmente um animal não significa que ela forçosamente comeu o cérebro de criancinhas no café da manhã. Não
existe uma disputa de facções entre Pessoas Que Ajudam, tipo 'humanos
versus animais'. Geralmente as Pessoas Que Ajudam, até por estarem em menor número, ajudam várias causas ao mesmo tempo. Elas vão onde precisam estar, portanto muitas das Pessoas Que Ajudam que acham importante fazer valer a lei no caso de maus-tratos a um animal são pessoas que ao mesmo tempo doam sangue, fazem trabalho voluntário, levantam fundos, são gentis com os menos privilegiados e batalham por condições melhores de vida para aqueles que não conseguem fazê-lo sozinhos.
Talvez você não saiba porque, afinal, as Pessoas Que Ajudam não saem alardeando por aí quando precisam de assinaturas para dobrar a pena para quem comete atrocidades contra animais, que estão fazendo todas estas outras coisas, quase que diariamente. E acho que é por isso que você pensa que se elas estão lutando por uma causa que você 'não curte', elas não estão fazendo outras pequenas ou grandes ações para os diversos outros problemas que elas vêem no mundo. Elas estão, sim.
E se fazem ouvir como podem, porque sempre tem uma Pessoa Que Não
Ajuda no meio para dar pitaco.Então, como dizia meu avô, 'muito ajuda quem não atrapalha'. Porque a gente já tem muito trabalho ajudando pessoas e animais que precisam (algumas até poderiam ser chamadas tecnicamente de 'crianças com fome', se assim preferem os que não ajudam).
(este texto pode e deve ser reproduzido) Escrito em 13.04.2005

O Halem Guerra do Ecosul complementa:
'Esta pergunta é típica de quem não faz nada por ninguém nem por causa
alguma.'
Como dizia o Barão de Itararé, "de onde menos se espera é que não sai
nada mesmo".



OBS: ah, Cris, meus sinceros pêsames pela Gigi. Você já leu o livro Marley e Eu, de Jonh Grogan? É ótimo; melhor ainda para quem ama cães (caso você ame os cães como os seus gatinhos eu recomendo)!

Bjinhos e abraços da visitadora assídua do blog,
Patty.

30 de Julho de 2008 12:53

Lucy Lane disse...

Leo, tudo bem?
Antes de mais nada quero deixar claro que não estou aqui pra ficar ditando o que os outros devem fazer ou não. Nem acho que tenha condições para ser o oráculo feminino sobre o que nós mulheres gostamos e o que não gostamos. Mas por ser sensível a essa causa - homens X mulheres - e esse ser um assunto que me interessa, vivo dando pitacos acerca dele.

E já que você me pediu umas "dicas" sobre o primeiro encontro, vou pensar aqui e logo posto um texto sobre isso, especialmente para você e os outros fofos que acessam nosso blog esforçado.

Beijos
Lucy

Anônimo disse...

www.fbav.org.br

falar apenas em ética não importa quando eles defendem (com mentiras) a saúde humana.

Cristiane disse...

Oi Patty, que textão!
Adorei e concordo super com ele!

Eu li Marley e Eu sim... Nossa, chorei pra caramba...

bj