Devaneios de uma personalidade esquisofrênica

Hoje, enquanto estava dirigindo de nowhere to anywhere, fiquei pensando o que eu seria se não tivesse me tornado jornalista. E olha que achei alternativas muito, muito boas para levar a vida de maneira nada ordinária. As mais interessantes, na minha opinião, são:

- Uma bióloga marinha que morasse em um barco e cruzasse os mares brasileiros trabalhando em projetos de proteção às tartarugas marinhas e às baleias Jubarte. Pelo menos assim Fernando de Noronha sairia mais barato de visitar.

- Chef de cozinha com um programa de TV tipo o do Jamie Oliver. "Cozinhando com Lucy Lane", que tal? Mas daí eu queria que ele fosse feito em Paris, com direito a viagens para mostrar preciosidades gastronômicas da Europa e tudo mais. Já que é pra sonhar, vamos lá pro alto!

- Agente secreta: li uma notícia que falava que atualmente o agente da CIA mais poderoso do mundo é uma mulher e ela está encarregada de encontrar o paradeiro do Bin Laden. Já imaginou? Ser a própria 007 de saias... Martinis a valer nas praias de Côte D'Azur...

- Roqueira: um misto de Gwen Stefani com Madonna. Só pra poder subir no palco e soltar o vozeirão. E, claro, fazer um dueto com Bono em Slane Castle, na Irlanda. Luxo extremo!

Mas quando comentei essas hípóteses com meu namorado (algumas inviáveis como ser cantora, outras nem tanto como ser agente secreta, rs), ele disse, taxativo: "quando você vai começar a escrever um livro, hein, escritora?".

4 comentários:

Anônimo disse...

Querida Lucy,
faz um tempo que não nos vemos fisicamente, mas estamos vivendo a mesma fase, impressionante!!!
Tenho pensado muito em o que poderia ser se não fosse jornalista. Vou às minhas opções:
- Cantora de jazz e MPB. Imagina eu, em cima de um palco, soltando um vozeirão de passarinho? Aplausos e mais aplausos, o rosto vermelho de vergonha, mas a felicidade na lua.
- Arqueóloga. Viajar para lugares esquecidos no tempo, buscar histórias e mais histórias. Grazi Jones? Uau!
- Dançarina. Soltar o corpo.... hum!!!
- Astronauta. E continuar viajando pelo espaço, tal como meu pensamento faz toda hora....
Adorei Lucy
beijo

Ana Flávia disse...

Adorei suas alternativas. Essa coisa de bióloga marinha é um plano para uma longínqua aposentadoria. Amo 007, então ser agente secreta seria o máximo. Cantora não, mas fazer um dueto com Bono...
Acrescento as minhas:

- Agente da PF: se não dá para fazer par com Daniel Craig, pelo menos garante certa ação na vida. Andar armada, fazer cara de má...

- Mecânica de Fórmula 1: amo o esporte e acho sensacional a idéia de usar aqueles macacões e trabalhar na engenharia de um carro. Poderia trabalhar de graça no carro do Button na Honda ou no do Alonso, da Renault...

- Designer de sapatos: sapato fala ainda mais do que roupa. E eu adoro pensar formas e detalhes absurdos. Revolucionaria o mundo da moda!

Lucy Lane disse...

Nossa, Ana, verdade: mecânica de fórmula 1 deve ser o máximo!!! (apesar de eu não entender NADA de carro). Muito boa, principalmente na corrida de Mônaco, já pensou? Aquele lugar podre de chique...
Beijos da Lu

Ana Flávia disse...

Lu, eu sou péssima motorista, nunca sei nem quando é preciso calibrar o pneu do carro.

Mas por Alonso ou Button e Barcelona, Istambul, Mônaco e afins, além das bucólicas paisagens belgas, viveria cheia de graxa e toda faceira...