Falta de noção ou o quê?

Paqueras podem constranger? Eu achava que não. Agora acho que sim.

Muitas tentativas depois (tipo umas 20), entrei na academia pensando positivamente em não desistir desta vez do plano "abaixo à mulher-gelatina". As primeiras semanas foram complicadas, porque o sedentarismo, minha gente, quando pega, demora para ir embora. Mas além de ficar fazendo força e suando em público, uma das coisas que sempre me incomodou nessa questão de frequentar a academia é a relação que a gente é obrigado a ter com o instrutor.

Não sei quanto a você, mas eu nunca gostei muito desse contato treinador-aluno. Porque fica aquela pessoa encostandinho em você bem no momento em que se está fazendo careta de dor ou numa posição bizarra. Tem gente que gosta, é verdade. Mas eu sou do grupo "ranzinzas de academia".

Anyway, esquecendo minhas esquisitices jornalísticas-nerds um pouco, lá estava eu indo todo dia diretinho no horário da manhã - junto com os vovôzinhos e vovózinhas, adolescentes e pessoas tão sedentárias quanto eu - até que algo começou a ficar estranho. O Sr. Instrutor foi ficando "amiguinho" demais da minha pessoa.

- Ah, mas porque você não veio ontem? Só porque está ficando com tudo em cima não vem mais na academia? (risinho maroto depois, aquela cara de Joey Tribbiani quando paquera alguém)

E depois...

- Ah, se precisar de alguma coisa é só chamar. Estala os dedos que eu vou pegar água para você, não precisa descer da esteira! (novamente risinho maroto e a cara de Joey Tribbiani quando paquera alguém).

"Oi? Como é? Não estou entendendo?". Começou a passar pela minha cabeça, então, que a coisa tinha estava ultrapassando aquela linha do "bom dia, tudo bem?", que é básico das pessoas educadas. Sabe quando você não bota fé que aquilo tá acontecendo? "Espera aí: tanta menina fazendo academia aqui comigo, com seus shortinhos combinando com a meia, o tênis e a faixa do cabelo e eu - vestida com a camiseta preta do U2 e uma calça pra lá de velhinha estou recebendo semi-cantadas??". Não, não, não. Ignorei, neguei. Achei que não deveria entrar nessa egotrip e fui deixando o papinho pra lá.

O caso é, minha gente, que estou agora numa mega saia-justa. O Ser-humano-instrutor foi passando do limite até me constranger. Na última vez, veio dizer que estava com "ciúmes" porque e tinha passado "muito tempo" conversando com um outro aluno da musculação.

- Demorou no exercício, hein? A conversa tava boa? - ele perguntou com cara séria.

- HELLOOOOO??? HELLOOOOO??? Que falta de noção, meu amigo!

Pior que fiquei com uma cara de tacho tão grande depois da frase que nem deu tempo de responder nada para acabar com aquela conversa. O cidadão falou seu gracejo, foi-se embora para outro canto e fiquei eu com metade da perna pra cima olhando para o nada.

A questão é: não importa se eu sou comprometida com outra pessoa ou não. Existe uma situação aí que fica complicada com esse tipo de comportamento. Eu até já dei uma gelada no assunto e dai sabe o que aconteceu? O ser-humano começou a me tratar mal. Tipo: profissionalismo zero. Duvido muito que se eu estivesse no status "single and fabulous" agora ia achar essa situação engraçada ou interessante. Ou será que estou errada?

10 comentários:

Depois dos 25, mas antes do 40! disse...

Isso é complicado mesmo. Tem de haver uma relação de extremo respeito! É uma relação íntima demais. Uma vez que você não deu bola ele deveria ter se tocado, não?

Uma cantadinha é sempre bom, mas insistir enche o saco!

beijos

J@de disse...

Tem tente que não tem noção mesmo, e falta de profissionalismo é parte do pacote sem noção!!
Primeira vez, adorei o blog!!
Beijos!!

Agrilla Bass disse...

academia é uó, foge hahaha

Natie disse...

Odeio pessoas sem profissionalismo. O cara tem que se enxergar, né. se ele queria azarar você que esperasse a saída da academia pelo menos e iniciasse uma conversa de gente. Bjoo

Anônimo disse...

Todo instrutor tem mania de virar amiguinho, vai ver eles tem uma aula sobre isso, pq por mais que a gente mude de academia o papinho de instrutor é o mesmo.

Thigo disse...

ahuahuuhauha...Bom, uma dica como um "qse educador físico", fuja dessa academia... Eles são pragas e brotam da parede!... Cuidado!...auhuhaa

Leonardo disse...

Péssimo! Realmente achar um profissional decente nessa área é raridade.

E não só as mulheres que penam. Desisti de uma academia porque não conseguia um instrutor para passar o treino: eles só estavam lá pra paquerar as alunas.

Parabéns pelo blog. Gostei!

Vanessa Lampert disse...

Nussa, menina, eu sempre de-tes-tei isso!! Aliás, eu detesto ser deliberadamente paquerada, nunca gostei, sei lá, acho uma coisa tão "dança do acasalamento", sabe? Tanto é que meu marido me conquistou de outro jeito, na conversa mesmo, com o bom humor, uma coisa bem nerd...hahahaha...nerd que é nerd não tem jeito, você pode ficar bonita, pode ficar gostosa, vai sempre continuar tendo cabeça de nerd :-D

Agora, quanto ao instrutor...cara, a melhor coisa da musculação é o seguinte: depois de um determinado tempo, instrutor é um troço completamente dispensável. Eu sorria, cumprimentava, pegava minha fichinha e ia para as séries quietinha. Ignora. Se ele quiser te tratar mal não terá oportunidade, fique bem simpática, mas leve um MPalgumacoisa e coloque os fonezinhos no ouvido. Pronto, acabou o problema. Ainda que você nem ligue o aparelho, ele pode nem funcionar, de repente você nem precisa levar o aparelhinho, acople os fones a uma caixinha de fósforo, costure na calça e finja, colega. Uma hora o cara se toca.

Ou então, de brincadeira (mas com aquela cara de maluca que pode estar falando sério) diga: "olha só, vou te processar por assédio sexual e conseguir uma indenização milionária que você nunca terá como pagar...hahahahahahahaha (risada de doida)...melhor não se aproximar demais de mim, pois eu já fiz isso outras vezes. O dinheiro da última indenização já está acabando e eu preciso de um novo processo". Ou, a outra alternativa é não se permitir ficar com cara de tacho, nem perder a rapidez de raciocínio e, da próxima vez em que ele se disser enciumado, simplesmente responda: "Heloooo????Hellooooo??? Que falta de noção, meu amigo!"

Simples assim.

Beijos!

Manu disse...

hahahaha! Me diverti com seu post! Estou quase me formando em Educação Física, já trabalhei muito tempo salão de musculação de academia e infelizmente ainda temos que nos deparar com profissionais assim! Mas infelizmente vou ter que discordar do comentário do Leonardo... não é difícil encontrar um profissional decente nessa área não! O problema tá bem mais embaixo e nem vale a pena entrar na discussão! O conselho é: existem academias e academias. Se ela paga mal o funcionário... provavelmente o funcionário não será dos melhores. Gente boa não se sujeita! Procure uma academia mais conceituada... ou então, arrume uma PROFESSORA! HAHAH! E boa sorte! Mas não desista! A musculação faz um bem DANADO!

Lucy Lane disse...

Manu, que tal você me dar aulas hein? Hahahaha! Acho bacana ouvir o seu lado, que é uma profissional da área. Mas fiquei pensando cá com meus botões e esse profissional não ganha mal, não, não está desmotivado, acho na verdade que tem muitas meninas que gostam de receber essa "atenção especial" do instrutor. Só que tem um limite entre ser simpático e ficar azarando os outros. As vezes as pessoas se aproveitam de suas posições ou cargos pra fazer isso e pode ser em qualquer área. Não vou desistir da academia não, viu Malu. Meu corpo suuuuper mudou, está todo ficando "no lugar", estou realmente gostando. Só que agora já fiquei esperta com essa história. Beijoooooooos