Mantenha a distância - ou faça como elas...


Alguns podem achar que as Esforçadas desse blog praticam o celibato - tamanha a falta de post sobre sexo e afins. Me dei conta disso esses dias. Mas a verdade é que para falar sobre sexo você precisa ter tempo de pensar em algo bastante original - senão cai naquele monte de chavões puritanos que não acrescentam nada, não é mesmo?

Voltando ao sexo - mas não tanto assim - esse tema também me veio à mente após assistir ao filme "He's not that into you" (ou "Ele não está tão afim de você") com uma amiga no último sábado. De antemão, um aviso: a não ser que você pague meia entrada (porque os cinemas estão pela hora da morte aqui em SP), espere sair em DVD. Não é graaaaande coisa, mas diverte.

Continuando o raciocínio, tem uma personagem no filme interpretada por Scarlett Johansson que é totalmente fatal. Ou melhor: ela sabe controlar muito bem sua sexualidade e não tem o menor pudor em tentar conquistar um cara casado usando seus atributos físicos. Ela é tão descarada que deixa até o rapazito desconsertado com tamanha segurança quando o encara como quem diz: "Quer? Vem pegar!".

Para mim, esse tipo de atitude serve de espelho para nós, mulheres da vida real, pensarmos um pouco sobre nosso comportamento diante do sexo oposto. Faz tempo que não dá mais para bancar a "boa moça" quando se está com o outro e, na minha opinião, fica meio ridículo insistir na postura "princesinha encastelada". Vá a luta, minha filha!

Dito isso, listo aqui outras personagens cinematográficas as quais você deveria prudentemente manter seu rapazito à distância (milhas de distância) ou que, num momento de solteirice, podem nos inspirar. Contando com Scarlett, uma versão bem moderna da mulher fatal, temos:
- Natalie Portman em "A Outra": no papel de Ana Bolena, interpretou a nobre inglesa que conseguiu fazer o rei Henrique VIII se divorciar em pleno século XVI. Ela também foi capaz de contornar as investidas sexuais dele com bastante charme e inteligência até se tornar a rainha da Inglaterra. Pena que morreu decapitada. Inspire-se: Para Ana, a sedução era um jogo de fazer os homens quererem exatamente aquilo que ela mesma queria.

- Angelina Jolie em "Sr. e Sra. Smith": Jennifer Aniston não levou a sério a fama de "devoradora de homens" da colega de elenco de seu então marido, Brad Pitt, quando a produção começou a ser feita. Não deu outra. Com aquela, difícil ter fidelidade que resista, seja de homem, de mulher... Inspire-se: Olhar poderoso. Jolie faz tudo acontecer com um mover de sobrancelhas.

- Kathleen Turner em "Corpos Ardentes": Tipo aranha viúva-negra, ela caça, mata e come, não necessariamente nessa ordem. Filme dos anos 80 que vale muuuuito a pena alugar, mostra a personagem de Turner acabando com o vigor sexual do pobre William Hurt enquanto lhe tira todo o dinheiro. Dissimulada até a última gota... Inspire-se: Não precisa fazer igual, mas ajuda a reconhecer quando uma delas está por perto.

- Marilyn Monroe em "Torrentes de Paixão": Indo um pouco mais lá atrás, encontramos a diva das divas no único papel em que não banca a loira burra e sexy. Incrível sua habilidade de encontrar a vítima perfeita e usar os homens conforme a necessidade do momento. Inspire-se: nessa personagem, nada é inocente. Do jeito de andar ao tom da voz, há sempre um propósito.

7 comentários:

disse...

Cara está TODO mundo falando deste filme. Eu ainda estou no livro.

Pati Mira disse...

Mas no filme ela termina sozinha indo pra Índia para se iluminar com uma amiga... :/ Achei que foi uma msg subliminar do tipo: não comporte-se como um canelone (como diria Woody Allen) se não quiser ser tratado como um. Ou tão saboroso, meramente momentâneo e descartável quanto um. :/

Lucy Lane disse...

Pati, não, não, vc contou o final do filme!!!! As pessoas vão te apedrejar. Mas não acho particularmente que ela tenha terminado sozinha por causa do comportamento dela com o cara. Acho que ela era apenas o instrumento para o roteiro abordar o tema do casamento e de porquê as pessoas se casam. Mas adorei a idéia do canelone. Hahaha!
Bjs

Não Somos Apenas Rostinhos Bonitos disse...

DIZEM QUE O LIVRO (AS USUAL!) É MUITO MELHOR!
Beijocas,

Jean Grey disse...

Meninas, adorei o blog. Também sou jornalista, pena que não encontrei uma companheira para me ajudar no meu blog... hehehehe
Mas, gostaria de favoritá-las. :D

Anônimo disse...

Lu, também me diverti com o filme no fim de semana. Mas fiquei com outra dúvida: a Scarlet só pega papel de femme-fatale-irresistível-até-de-moleton-e-cabelo-sujo-comedora-de-homens-mas-que-prefere-ficar-sozinha porque é assim ou por que, coitada, caiu num estereótipo eterno no mundo do cinema?? É irritante...

Martha Lopes.

Lucy Lane disse...

Pois é Martinha, vc levantou uma bola interessante... no Vic Christina, quando ela apareceu com aquele ar desleixado/sou gostosa pakas eu comecei a ficar com preguiça... mas como woody allen não é mestre à toa, ele conseguiu dar um pouco mais de conteúdo pra personagem dela e tirou do estereótipo. Mas que ela tá meio presinha nisso, tá mesmo.
Bjs